Processo de produção

“Vinhos como expressão da Terra e dos Homens”


Na Quinta Nossa Senhora do Loreto queremos produzir vinhos com personalidade, únicos, com carácter que condensem a história do ano vitícola e se constituam numa memória evolutiva, precisa no tempo, despertada no momento do consumo pelos aromas e sabores particulares de cada colheita.

Queremos fazer vinhos para durar… A nossa filosofia de produção está assente no conhecimento de cada casta, na clara definição de objectivos e na sua aplicação de forma determinada e rigorosa.

Práticas de produção que respeitam a natureza e que potenciam a expressão do “terroir”

Primeira Fase

Produzir as melhores uvas na quantidade certa e com qualidade irrepreensível.

Como um relógio. É assim que pensamos na forma como queremos produzir o vinho D’Eça. Tudo começa na viticultura. A partir do abrolhamento dos gomos um intenso labor é iniciado. No equilíbrio da folhagem com a produção reside a questão essencial. E tudo é feito para esse equilíbrio aparecer.

Cada casta é trabalhada diferenciadamente para potenciar a sua própria expressão numa sequência contínua de operações: podas em verde, corte de ervas daninhas, tratamentos contra pragas e doenças… tudo no contexto de práticas culturais sustentáveis e amigas do ambiente.

E no fim, perto da maturação final, avalia-se a adequação da quantidade de cachos aos nossos objectivos e à capacidade das plantas: se a produção for excessiva os cachos menos perfeitos são eliminados. A recompensa surge na vindima com uvas sãs, concentradas e ricas de aromas e sabores!

Segunda Fase

Recolher o fruto do trabalho do Homem e da benignidade da Natureza e transformá-lo em Vinho

O tic-tac do relógio também aqui se pressente. As uvas seleccionadas chegam finalmente à adega, garantindo-se a exclusão de qualquer cacho que não apresente a qualidade desejada.

Os bagos, desengaçados e inteiros, são depositados em lagares de inox ou granito com temperatura controlada e protegidos das oxidações por CO2, o mesmo gás que se usa, por exemplo, para protecção dos tecidos nas intervenções cirúrgicas de cardiologia. O processo de vinificação e maceração dura aproximadamente 3 semanas, findas as quais separamos o vinho das massas vínicas.

Segue-se a fermentação maloláctica, já efectuada em barricas de carvalho francês e americano criteriosamente escolhidas.

Terceira Fase

Esperar com paciência e cuidado a revelação do Vinho

Durante 2 anos os vinhos produzidos ficam na adega a estagiar, a evoluir, até ao momento em que possam finalmente ser usufruídos… Neste processo os vinhos são continuamente monitorizados por análises químicas e prova, são ligeiramente colados, normalmente com a tradicional clara de ovo, para que a percepção de adstringência, própria de vinhos do Douro feitos para guardar, seja suavizada e finalmente são engarrafados.

Depois ainda há que esperar, no mínimo 6 meses, até chegar o momento da sua apresentação pública para que tudo no vinho seja harmónico e se revele o seu carácter único.

"A vinha e todos os passos do processo de produção reflectem a importância de cada etapa, de cada peça, na nossa criação telúrica do vinho. Tudo se encaixa, se harmoniza, para atingir o equilíbrio"